Sunça no Streaming – Guava Island – Amazon Prime Video (2019)


Sunça no Streaming - Sergio - Netflix (2020)
Sunça no Streaming - Ninguém tá olhando - Netflix (2019)

Deni Maroon (Donald Glover) é um jovem músico que possui o sonho de unir todo o seu povo em prol de um grande mesmo objetivo. Ele, então, se aventura a criar um festival de música com os poucos recursos que possui e promete a si mesmo que irá libertar a população da Ilha de Guava, nem que seja por apenas um dia.

55 min – 2019 – EUA

Dirigido por Hiro Murai e roteirizado por Stephen Glover e Donald Glover. Com Donald Glover, Rihanna, Letitia Wright, Nonso Anozie e Renny Arozarena.

“Guava Island” é uma obra incomum no mercado cinematográfico atual.  Lançado em abril de 2019 e filmado em película 16mm, o filme mistura animação, fábula, live action e muita crítica política em seus cinquenta e cinco minutos de duração. Estrelado por Donald Glover e Rihanna, o curta tem direção de Hiro Murai, roteiro de Stephen Glover e fotografia de Christian Sprenger, todos eles envolvidos na produção da ótima série Atlanta. Hiro Murai também trabalhou com Glover em alguns de seus clipes, como por exemplo o maravilhoso “This is America”. 

A ilha de Guava impressiona por sua beleza. A fotografia do filme é excelente, apresenta uma mistura de povos africanos, caribenhos e até mesmo asiáticos. Essa combinação de gestos, características, cores e idiomas acontece sem cair no estereótipo da gente e cultura retratada. É uma homenagem e também um retrato social e cultural. Na “fábula” acompanhamos a história de Deni Maroon (Donald Glover) um músico que vive na ilha de Guava junto de sua namorada Kofi Novia (Rihanna). Deni quer organizar um festival musical e isso o coloca em conflito com Red Cargo (Nonzo Anozie) chefe da família que controla os negócios dessa nação. Isso porque a população se atrasaria para o trabalho no domingo pós festival, e todos na ilha trabalham de domingo a domingo nas fábricas de Red para a produção da seda azul. Muito valiosa em outros lugares do mundo. 

A trama se desenvolve como um thriller, porém é repleta de comédia e música. Nos momentos fabulescos temos sequências de animação. Uma delas é narrada por Rihanna e nos apresenta um sonho de liberdade. O que contrasta com o mundo que nos é apresentado, onde temos crianças armadas cometendo assaltos. Toda essa mistura narrativa, deixa a obra ainda mais especial. É uma crítica ao capitalismo excessivo que oprime povos, aumenta a desigualdade e miséria pensando apenas em lucro, produção e economia. E contra isso temos Deni que sonha em criar uma música que possa unificar o povo e o acordar para lutar contra a exploração diária na qual estão submetidos. É uma pena que a personagem interpretada por Rihanna, não lhe dê a oportunidade de cantar. Ela é uma mulher focada no trabalho, realista e pessimista. Um fruto da sociedade abusiva em que vive, seu objetivo é deixar a ilha para trás. A química entre o casal principal é boa, seus olhares, conversas e danças sempre acontecem de forma natural e ambos apresentam boas performances. 

Uma crítica atual que dialoga com prática comuns utilizadas em larga escala por todo o mundo. A ilha de Guava é um lugar paradisíaco. Sua população local trabalha sete dias por semana, sem descanso, para exportar as riquezas naturais da terra. Enquanto sonham com o dia em que terão dinheiro suficiente para alcançar uma vida melhor. Nas palavras do próprio Deni antes da sequência musical de “This is América” : “ A América é um conceito. Qualquer lugar onde, para que você fique rico, é necessário fazer com que alguém fique ainda mais rico, é a América.”

“Guava Island” tem um único conflito e uma trama pequena. E a obra sabe. Ela é rápida e objetiva com o que têm a dizer e apresentar. Assume a estrutura de uma história a ser contada, uma lenda. Não tenta criar um clímax grandioso ou se apresentar maior do que é. No embate final o diretor Hiro Murai tem total controle, cada plano é pensado e o ritmo construído é eficaz para potencializar o que acontece em tela.  Um filme bonito e festivo, que tem cada um de seus aspectos pensado para servir um propósito narrativo maior. A música é arma, é ideia e é união.

Nota do Sunça:

Últimas críticas:

Últimos textos:

Sunça no Streaming - Sergio - Netflix (2020)
Sunça no Streaming - Ninguém tá olhando - Netflix (2019)