Sunça no Cinema – Pets – A Vida Secreta dos Bichos (2016)


Sunça no Cinema - Cães de Guerra (2016)
Sunça no Cinema - Esquadrão Suicida (2016)

557955.jpg-r_1920_1080-f_jpg-q_x-xxyxx

Max é um cachorro que mora em um apartamento de Manhattan. Quando sua querida dona traz para casa um novo cão chamado Duke, Max não gosta nada, já que seus privilégios parecem ter acabado. Mas logo eles vão ter que pôr as divergências de lado quando um incidente coloca os dois na mira da carrocinha. Enquanto tentam fugir, os animais da vizinhança se reúnem para o resgate e uma gangue de bichos que moram nos esgotos se mete no caminho da dupla.

87 min – 2016 – EUA

Dirigidor por Chris Renaud, roteirizado por Cinco Paul e Ken Daurio. Com Louis C.K., Eric Stonestreet, Kevin Hart, Jenny Slate, Ellie Kemper, Albert Brooks, Lake Bell, Dana Carvey, Hannibal Buress, Bobby Moynihan, Chris Reynaud, Steve Coogan, Michael Beattie, Sandra Echeverría, Jaime Camil, Kiely Renaud.

Dublado no Brasil por Danton Mello, Tatá Werneck, Tiago Abravanel, Luís Miranda, Leonardo Santhos, Eduardo Dascar, Marcelo Garcia, Miriam Ficher e Aline Ghezzi

Claramente influenciado por Toy Story, Pets – A Vida Secreta dos Bichos, parte de uma premissa interessante, mostrar o que fazem os animais de estimação quando seus donos não estão em casa. Dirigido por Chris Renaud, também responsável por Meu Malvado Favorito e Minions, inicialmente o filme impressiona com bonitas panorâmicas de Manhattan, ele conta com um ótimo desenho de produção e com uma animação de qualidade característica da Illumination Entertainment.  Mas infelizmente o filme logo desiste de sua premissa e ao invés de situações interessantes e inusitadas com os bichinhos em suas casas, partimos para uma aventura exagerada com situações comuns sem relação com a temática inicial.

No filme acompanhamos Max (Danton Mello), um cachorro que mora em um apartamento de Manhattan. Ele têm um feliz relacionamento com sua dona a Katie (Aline Ghezzi), em suas próprias palavras, “Eles dividem um ap.” Mas tudo muda quando um dia sua dona traz para casa um novo cão chamado Duke (Tiago Abravanel). De início Max e Duke não se dão bem, mas logo eles têm que pôr as divergências de lado devido a um incidente que os coloca em uma carrocinha e mas tarde de frente a uma gangue de bichos que odeia os humanos e moram nos esgotos. Enquanto isso os animais da vizinhança se reúnem para o resgate da dupla. Uma trama bastante semelhante a aventura de Buzz e Woody.

Se a falta de carisma dos protagonistas é um problema, falta empatia com o espectador, os personagens coadjuvantes roubam a cena. Alias, isso parece ser uma especialidade da Illumination Entertainment vide os  Minions que roubam a cena em Meu Malvado Favorito. Eles fizeram tanto sucesso que aqui em Pets, também se fazem presentes, antes do longa estão em um curta que é apresentado, fazem interferências no logo da empresa e até “aparecem” no final da trama. Mas o destaque fica para Gigi (Tatá Werneck) e para o vilão do longa o coelho Bola de Neve (Luis Miranda), o velho basset hound “veiaco nos esquemas” também nos fornece algumas risadas. Vale um destaque também para todas as interações entre Gigi e o gavião Tiberius (Leonardo Santhos).

É uma pena que o longa abandone sua premissa e adentre uma trama genérica e confusa, que te faz questionar o quanto é “secreta” a vida dos bichos, uma vez a partir de determinado momento do roteiro suas ações passam a afetar diretamente os humanos e a cidade de uma forma bem exagerada. Com uma ajuda do roteiro os humanos parecem estar sempre atrasados aos acontecimentos, exceto é claro, quando não presenciam os animais e suas vidas nem tão ocultas assim. Com um mundo bonito e colorido, cenas que rendem boas risadas, sequências em uma festa, tudo o que se passa no terraço, o “Reino da salsicha” e a turma do esgoto são méritos do filme, mas é nas cenas em que realmente vemos como é a vida dos bichos, sem os donos em suas respectivas casas, que Pets – A Vida Secreta dos Bichos têm seus melhores momentos. Uma pena o filme não saber explorar melhor sua boa ideia inicial e ponto fundamental de sua desperdiçada premissa.

Obs. Na cabine de imprensa foi exibida um cena durante os créditos.

Nota do Sunça:

nota2_suncanocinema_fantasticomundodesunca

Últimas críticas:

Últimos textos:

Sunça no Cinema - Cães de Guerra (2016)
Sunça no Cinema - Esquadrão Suicida (2016)