Sunça no Cinema – Guardiões da Galáxia Vol.02 (2017)


Agora já conhecidos como os Guardiões da Galáxia, os guerreiros viajam ao longo do cosmos e lutam para manter sua nova família unida. Enquanto isso tentam desvendar os mistérios da verdadeira paternidade de Peter Quill (Chris Pratt).

136 min – 2017 – EUA

Dirigido e roteirizado por James Gunn. Com Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Vin Diesel, Bradley Cooper, Michael Rooker, Kurt Russell, Karen Gillan, Pom Klementieff, Sylvester Stallone, Elizabeth Debicki.

Texto originalmente publicado no site Cinema e Cerveja.

Em 2014 a Marvel trazia aos cinemas uma aposta. “Guardiões da Galáxia” foi um risco, adaptar personagens desconhecidos do grande público considerados de terceiro escalão podia ter mudado o rumo das produções da Casa das Idéias. O longa foi um acerto e rendeu uma das maiores bilheterias do Universo Cinematográfico da Marvel, além de ser um sucesso de crítica. James Gun acertou em cheio em construir um universo colorido, divertido, oitentista, habitado por criaturas estranhas e exóticas e regido por uma trilha sonora inspirada. Gun entregou sua ótima “space opera” e definiu o universo cósmico da Marvel. Em “Guardiões da Galáxia Vol.02” o diretor/roteirista foca na construção de seus personagens e na interação entre eles, em um universo mais colorido, mais vibrante, mais frenético e mais divertido. James Gun expande sua saga “Star Wars” com mais um ótimo longa que sabe ao mesmo tempo não se levar a sério e se levar a sério.

“Guardiões da Galáxia Vol.02” é um filme sobre família. O foco narrativo vai além da trama principal que diz respeito a Peter Quill (Chris Pratt) e Ego (Kurt Russell), seu pai.  No primeiro longa acompanhamos a formação do grupo, agora, presenciamos seus esforços para se manter juntos e os personagens aprendendo a conviver uns com os outros. A trilha sonora, mais uma vez acertadíssima, ajuda a guiar a obra. A música “Father and Son” é literalmente a temática apresentada e rende uma ótima cena. “Brandy You’re a Fine Girl” descreve perfeitamente uma sequência do filme. E o que dizer da fantástica sequência inicial focada em Baby Groot dançando ao som de “Mr. Blue Sky” enquanto o grupo enfrenta uma incrível besta rosa cheia de tentáculos. A trilha sonora, o design dos personagens, naves, planetas, a fotografia  tudo é utilizado em prol da narrativa.

No longa, os Guardiões são contratados para impedir o roubo de poderosas baterias e logo de início enfrentam uma criatura (A besta rosa cheia de tentáculos). Devido a uma atitude impensada de Rocket (Bradley Cooper) o grupo acaba sendo perseguido. Quando se encontram sem saída, são salvos por Ego (Kurt Russell) o planeta vivo e pai de Starlord (Chris Pratt). O grupo se separa, Peter, Gamora (Zoe Saldana) e Drax (Dave Bautita) partem junto com Ego e Mantis (Pom Klementieff) até seu planeta de origem. Rocket e Groot (Vin Diesel) acabam envolvidos com Yondu (Michael Rooker) e os saqueadores. Problemas acontecem e eles acabam salvando a galáxia novamente. O importante mesmo são os laços familiares dos personagens. A rivalidade das irmãs Nebulosa (Karen Gillan) e Gamora, Peter e seu pai Ego, Yondu e seu mentor Stakar (Sylvester Stallone), a amizade entre Rocket  e Yondu e o relacionamento de Drax e Mantis que é um dos pontos fortes do filme. Vale um destaque para o elenco, Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista, Karen Gillan, Michael Rooker, Bradley Cooper e Vin Diesel retornam muito bem e mostram mais uma vez que foram uma escolha certeira. Acertada também são as novas adesões Kurt Russell, Pom Klementieff, Elizabeth Debicki e Sylvester Stallone responsáveis por ótimas cenas e constroem personagens fortes e interessantes. Dá gosto de ver o cuidado que os atores e o roteiro de James Gun têm com seus protagonistas.

O roteiro aliás, traz mais uma vez um humor honesto, em alguns momentos beira o besteirol, com situações exageradas mas que funcionam muito bem com seus personagens. O longa é uma brincadeira, que quando necessário sabe se levar a sério e aprofundar em determinados assuntos. Essa nova aventura dos Guardiões apresenta efeitos visuais excelentes, são coloridos, abusados e criam uma experiência única. Mais uma vez esconde diversos easter eggs e é repleto de referências, desde o design de naves evocando Flash Gordon até menções diretas a David Hasselhoff, o seriado “A Super Máquina”, Mary Poppins e Pac Man. A participação de Stan Lee é ótima e traz personagens importantes para o universo Marvel. A falha aqui fica para o vilão que poderia ter uma motivação melhor, algumas piadas fora de lugar e como um todo o filme parece desnecessariamente (Um pouco) longo demais.  

“Guardiões da Galáxia Vol.02” é um filme sem vergonha. Sem vergonha do que é, de seus personagens, seu visual, suas referências e suas piadas. É uma brincadeira, é um “papo sério”, é uma aventura, é desajustado. Assim como as relações familiares que tanto presa. Com a confirmação de um terceiro longa também dirigido e roteirizado por James Gun, ficamos com a alegria de que teremos mais dessa linda Space Opera da Marvel.

Obs. Existem cenas antes, durante e depois dos créditos. Um total de cinco.

Nota do Sunça:

Últimas críticas:

Últimos textos: