Sunça no Cinema – Netflix – Apostando Tudo (2017)


Eddie Garrett (Jake Johnson) é um apostador de segunda categoria que concorda em cuidar de uma mala para um conhecido que está indo cumprir pena na cadeia. Quando ele descobre que a mala está cheia de dinheiro, não consegue resistir e acaba gastando tudo. A sentença do dono é encurtada e Eddie tem pouquíssimo tempo para conseguir ganhar todo o dinheiro de volta.

90 min – 2017 – EUA

Dirigido por Joe Swanberg, roteirizado por Joe Swanberg e Jake Johnson. Com Jake Johnson, Aislinn Derbez, Joe Lo Truglio Keegan, Michael Key e Josè Antonio Garcia.

Texto originalmente publicado no site Cinema e Cerveja.

Um perdedor nato que se mete em várias dificuldades e após atingir o fundo do poço, busca sua redenção. Esse é o enredo de “Apostando tudo”, a jornada de um viciado em perder, que inicialmente, foge de uma “vida padrão” e passa seus dias em jogos de apostas baixas. O desajeitado Eddie (Jake Johnson) é um sujeito com objetivos despretensiosos, mas que ilustra bem como comportamentos nocivos e atitudes impensadas nos guiam em direção a auto-sabotagem.

O longa nos apresenta a sua rotina. Eddie trabalha estacionando carros, e assim que recebe algum dinheiro, o perde virando a noite em uma mesa de poker. Até que em um dia ele é surpreendido por uma proposta de Michael (José Antonio García). Ele pede para Eddie tomar conta de uma mala e mantê-la escondida da polícia até que seja liberado da cadeia em seis meses. Para isso Eddie receberia dez mil, sem perguntas e sem saber o conteúdo da bolsa. A trama não nos surpreende, e como conhecemos o protagonista sabemos que ele vai abrir a mala. Sim, ela vai estar cheia de dinheiro. E, claro, ele vai perder tudo em jogos de azar. Até Eddie parece saber disso. Mas nada disso importa, já que para o protagonista, ele não tem nada a perder. Porém tudo parece mudar quando em um dia de sorte ele conhece Eva (Aislinn Derbez) uma enfermeira e mãe solteira que leva uma vida séria, e é cautelosa sobre quem ela permite se aproximar. Ele então resolve “arrumar” sua vida. Consegue um emprego com a ajuda de seu irmão, encontra uma forma de repor o dinheiro, se dedica a seu relacionamento com Eva e passa a almejar o estilo de vida que antes ele tanto evitava. Quando as coisas parecem melhorar, Eddie acaba tendo seu prazo diminuído e se metendo em mais problemas.

“Apostando tudo” estabelece um ritmo leve e próprio, a trama do diretor Joe Swanberg que assina o roteiro junto com Jake Johnson (A terceira colaboração deles), é comum e nos lembra outros diversos filmes com o  tema de jogos de azar. A surpresa fica para os diálogos entre Eddie e seu amigo Gene (Keegan-Michael Key) que deveria ser seu “padrinho” e ajudá-lo a vencer seu vício e sua luta para melhorar de vida. Mas acaba sempre o chamando de idiota, rindo da situação e no final têm uma atitude no mínimo inadequada. É um filme de apostas que não aposta alto, mas que apresenta sequências interessantes. Como quando Eddie cogita fugir mas uma ligação lhe mostra que agora ele tinha pelo que lutar. Na verdade, pelo que apostar.

Nota do Sunça:

Últimas críticas:

Últimos textos: